Alergia a chocolate

Alergia a chocolate

Sabemos sobre os benefícios do chocolate na alimentação. Mas nem tudo é perfeito: sabia que existe alergia a chocolate? Mesmo um ótimo chocolate pode causar reações adversas em algumas pessoas. Vamos saber mais nesse post.

Alergia ou intolerância a chocolate com muitos ingredientes 

A lista de ingredientes de um chocolate pode variar muito, o que influencia diretamente na possibilidade do produto causar alguma reação alérgica. Um chocolate pode ter apenas um ingrediente, como o chocolate 100% cacau, ou até dezenas, principalmente em chocolate ao leite – saiba mais sobre os tipos de chocolate

O chocolate ao leite é aquele que mais comumente possui lactose, proteína do leite e também o glúten – graças aos conservantes. Alguns outros componentes adicionados que podem ter efeito prejudicial são a soja ou o sorbato de potássio, em caso de bombons. Nestes, o cacau em geral não é o primeiro ingrediente. Além disso, muitas vezes a manteiga de cacau é substituída por gordura vegetal.

  • Veja uma lista grande de ingredientes de chocolate ao leite com manteiga de cacau:
Manteiga de cacau, leite em pó desnatado, soro do leite, massa de cacau, maltodextrina, farinha de soja, gordura vegetal, polidextrose, emulsificantes lecitina de soja (INS 322) e poliricinoleato de poliglicerol (INS 476), edulcorantes artificiais sucralose (INS 955) e acessulfame k (INS 950) e aroma sintético idêntico ao natural de baunilha. Pode conter traços de amêndoa, amendoim, avelã e castanha-de-caju.
  • Veja uma lista de ingredientes que usa gordura vegetal:
Açúcar, leite em pó, manteiga de cacau, massa de cacau, gordura vegetal, emulsificantes lecitina de soja e poliglicerol polirricinoleato e aromatizante. ALÉRGICOS: CONTÉM DERIVADOS DE LEITE E DE SOJA. PODE CONTER AMENDOIM, CASTANHA-DE-CAJU, CENTEIO, AVELÃ, AVEIA, TRIGO E CEVADA. CONTÉM LACTOSE. CONTÉM GLÚTEN.

Chocolate amargo geralmente é aquele com o menor número de ingredientes e alergênicos, mas aqui também pode haver grande variação de ingredientes:

  • Pode ter apenas dois ingredientes, como cacau (massa de cacau /nibs de cacau/ manteiga de cacau) e açúcar , ou outro adoçante. 
Chocolate 85% cacau: Massa de cacau, manteiga de cacau e açúcar demerara. Pode conter Amêndoas.O Conteúdo é inserido aqui
  • Pode ter vários ingredientes e alergênicos:
Ingredientes: Liquor de cacau, manteiga de cacau, colágeno, fibra vegetal (goma guar). Contém edulcorantes naturais maltitol e steviosídeo e emulsificante natural lecitina de soja e aroma natural de baunilha . Alergênicos: CONTÉM LEITE E DERIVADO DE SOJA. PODE CONTER AMÊNDOA, AMENDOIM, AVELÃ, CASTANHA-DE-CAJU, CASTANHA-DO-PARÁ, NOZES E OVO.

Alergia  ao cacau

Mesmo o chocolate 100% cacau pode causar reação a uma pessoa alérgica. O cacau possui um componente alergêncio chamado teobromina, um alcaloide da família das metilxantinas, da qual também fazem parte a teofilina e a cafeína. A alergia ao cacau em si é causada por este componente.

Reações adversas devido ao chocolate

Conforme mencionado pela Dra Kenia Chaves, otorrinolaringologista Juiz de Fora, o consumo excessivo de xantinas  (acima de 250 mg/dia ou três cafés/dia) pode ser considerado como fator de piora para quadros de zumbido e tontura, mas ainda há controvérsias e variações individuais (há pessoas que metabolizam rápido essas substâncias e não sentem sintomas, e há pessoas com sintomas com ingestão de doses baixíssimas) . De maneira geral, na presença destes sintomas, ela orienta reduzir o máximo possível do consumo dessas substâncias para fechar diagnóstico.

Outros sintomas adversos do consumo de chocolate em grande quantidade incluem a diarréia.

Resumindo: nenhum alimento sozinho é mágico ou mau.

Até água em excesso faz mal à saúde, portanto, nenhum alimento sozinho faz milagre ou estrago. Nosso organismo é vivo e incrivelmente individualizado, o que faz bem para mim pode não fazer para você. Justamente por isso é tão difícil fechar um diagnóstico de doenças, por mais que gostaríamos que a medicina fosse uma ciência exata.

Como pessoa que sofreu muito por restrições alimentares no passado, me atrevo a dar um conselho: escute seu corpo e tenha paciência. Carregue um caderninho e anote tudo o que comeu e o que sentiu depois, com máximo de detalhes – inclusive seus sentimentos naquele momento. Esse diário será valioso para ajudar um profissional de saúde a identificar a sua sensibilidade alimentar e ajustar um tratamento adequado. Acredite, esse esforço vai mudar a sua vida!

Chocolate zero lactose – como não errar na escolha

Chocolate zero lactose – como não errar na escolha

Adaptar a dieta para uma restrição alimentar pode ser sempre complicado. Mas se você tem restrição a leite e procura um chocolate zero lactose, siga as dicas e com certeza não terá problema em encontrar. Seja em tabletes ou barras culinárias, hoje se tornou viável o consumo, até mesmo de chocolate zero proteína do leite, seguro para APLV.

Vamos às dicas para encontrar o seu chocolate zero lactose?

1- Analise o rótulo

É comum ver produtos com informação sobre zero lactose, mas mesmo assim ter traços de leite. Analise bem a embalagem, veja se na parte de trás há alguma informação sobre alergênicos. Cada pessoa tem um grau de restrição, sendo necessário entender se os traços de leite de um possível “chocolate zero lactose” vão te fazer mal. Confira no post sobre restrições e alergias.

Os traços de leite indicam algumas situações: (a) a fábrica tem outros produtos  com leite e há compartilhamento de maquinário, ou (b) o chocolate tem leite, mas foi utilizada uma enzima, por isso, ainda assim ele pode conter leite ou traços de leite. Em ambas as situações, o chocolate não é indicado para quem tem alergia a leite (APLV).

2- Pesquise sobre a empresa

O processo de fabricação sem utilização de leite foge do trivial, por isso, busque por empresas especializadas, que já tenham conhecimento e que se estabeleceram neste ramo. Pesquise se a fábrica trabalha com ingredientes com leite.

3- Treine seu paladar

Não tem jeito, a maioria dos chocolates zero lactose possui alto teor de cacau. Isso significa que são intensos, mas não amargos. Depende da qualidade do chocolate, pois ele pode ser forte sem ser amargo. E depende do treino do paladar, para conseguir consumir um chocolate cada vez mais intenso. Isso faz bem para sua saúde, pois quanto maior o percentual de cacau, melhor – o cacau é um ingrediente com diversos benefícios, saiba mais aqui.

4- Busque variedade de sabores

O chocolate faz parte da nossa vida em todos os momentos. Mesmo treinando o paladar, temos  os momentos de comer um chocolate mais doce ou branco, por isso é interessante procurar essas alternativas.

É bom saber que existem alternativas assim, com chocolates zero lactose e seguros para APLV:

  • Coração de chocolate com caramelo: É possível ter caramelo sem leite ou manteiga, usando apenas ingredientes naturais.

Coração recheado zero lactose

  • Chocolate ao leite de coco: Possui cremosidade e um pouco mais de dulçor para quem ainda não se acostumou a um chocolate 70% cacau.

Pack Chocolate ao Leite de coco 40% cacau - 5 unidades de 25g

  • Chocolate recheado cremino: É uma opção com recheio de cappuccino, docinha e sem nada de leite em sua composição. Faz parte da linha Candy.

Chocolate cremino zero lactose

Ficou curioso? Acesse loja.javachocolates.br.

Como comprar chocolate zero lactose?

Chocolate Na Quarentena

1- Analise o rótulo
2- Pesquise sobre a empresa
3- Treine seu paladar
4- Busque variedade de sabores
Acesse o post para saber mais.

Todo chocolate zero lactose é amargo?

Chocolate Na Quarentena

Não necessariamente. Existem opções de chocolate zero lactose, porém , com menor teor de cacau. Veja algumas opções neste post.

Chocolate amargo tem lactose?

Depende. Sempre é necessário verificar o rótulo. Além disso, veja sempre se há indicações de alergênicos - mesmo se o produto não tiver leite, ele pode conter traços de lactose.

Chocolate zero lactose faz bem para a saúde?

Da amendoa a barra

Depende. Confira os rótulos e prefira aqueles com maior teor de cacau.

Dieta Plant based: o novo conceito de alimentação

Dieta Plant based: o novo conceito de alimentação

A cada dia que passa, novos conceitos e dietas surgem com o objetivo de te ajudar a ter um corpo e uma vida mais saudável. Um desses novos conceitos que têm estado em alta é a dieta plant based, que pode ser resumida em: menos produtos que vem em pacotes, mais produtos que vem da natureza.

Esse é um grande atrativo dessa linha de alimentação pois, além de ajudar na sua saúde, ao adotá-la você também agrega impactos positivos ao meio-ambiente.

Quer saber mais sobre esse conceito de alimentação tão comentado por aí? Continue com a gente que vamos te contar tudo o que você precisa saber!

O que é dieta plant based?

A tradução do termo é a seguinte: a base de plantas. Ou seja, esse novo conceito de alimentação sugere uma alimentação mais natural, que evita alimentos industrializados e processados, dando prioridade aos produtos que vem da natureza, de origem vegetal.

É uma alimentação rica em:

  • Oleaginosas;
  • Leguminosas;
  • Tubérculos;
  • Grãos integrais;
  • Frutas;
  • Hortaliças;
  • Gorduras saudáveis de origem vegetal.

Você vai evitar:

  • Alimentos de origem animal;
  • Açúcares;
  • Carboidratos brancos refinados;
  • Embutidos;
  • Fast-food.

Uma dúvida frequente é: “por que evitar alimentos de origem animal, se eles também podem ser saudáveis?”

Além de se preocupar com o valor nutricional dos alimentos, a dieta plant based também considera a origem dos mesmos. Ou seja, priorizar alimentos orgânicos, de pequenos produtores e cruelty free, que significa que não há crueldade na cadeia de produção do alimento.

Dieta plant based e vegana são a mesma coisa?

“Então ao seguir uma alimentação plant based eu estou me tornando vegano?”

Não necessariamente. Existem duas grandes diferenças entre esses tipos de alimentação:

Enquanto para os veganos é proibido consumir produtos de origem animal, não só na alimentação, mas também na hora de se vestir, se maquiar, etc., quem segue a alimentação plant based não tem esse tipo de obrigatoriedade. Aqui o ato de não consumir produtos de origem animal é uma recomendação, deixando à sua escolha.

 Outra diferença entre as duas dietas é o foco principal de cada uma. Como dito acima, o intuito da dieta vegana é parar completamente o consumo de produtos de origem animal. Já na dieta plant based, o objetivo gira em torno, principalmente, da qualidade dos alimentos escolhidos: alimentos que venham da natureza e não dentro de pacotes.

Quais os benefícios da alimentação plant based para a saúde?

Quando uma dieta é focada no consumo de alimentos naturais, é lógico pensar que trará benefícios em relação à sua saúde. 

Algumas dessas vantagens:

Além disso, por conta da diminuição radical de açúcares, alimentos processados e refinados, existem grandes chances de emagrecimento ao adotar essa dieta. 

Mas lembre-se de que, não importa qual seja seu objetivo estético (emagrecer ou manter o peso), para se manter saudável é necessário uma alimentação equilibrada e sem excessos, independentemente do tipo de alimentação que escolher.

 

Quais os benefícios da alimentação plant based para o meio-ambiente?

Adotar uma alimentação majoritariamente plant based pode ter diversos impactos positivos para o meio ambiente. Segundo o documentário Cowspiracy: The Sustainability Secret, ao aderir essa dieta, você colabora com a diminuição da emissão de gases de efeito estufa, além de diminuir consideravelmente o gasto de água e terra que seriam utilizados com a pecuária. 

Além disso, você também colabora com a diminuição do desmatamento.

“Como esses assuntos podem estar relacionados?” 

Bom, para conseguir espaço para o gado e para a produção da sua ração, grandes áreas precisam ser desmatadas. No documentário é possível ver como a quantidade de recursos incluindo espaço utilizados por pessoa vai diminuindo proporcionalmente ao consumo de carne.

E o mais legal de tudo: não é apenas excluindo esse tipo de alimento 100% da sua vida que você ajuda o meio-ambiente. Segundo o movimento Segunda sem carne, que visa eliminar alimentos de origem animal neste dia da semana, em 2017 foram economizados 57 bilhões de litros de água, 500 milhões de m² de terra, entre outros benefícios. E isso apenas no Brasil.

Como aplicar a alimentação plant based no dia a dia?

Pode parecer que não, mas é bem simples trazer esse estilo de alimentação para a sua rotina.

Pense em, aos poucos, ir substituindo os alimentos que você costuma comprar pelos da dieta plant based, por exemplo: trocar o arroz branco por arroz integral, as proteínas de origem animal por proteínas de origem vegetal cogumelos, tofu, grão-de-bico e ervilha são algumas opções — o lanche da tarde por frutas e oleaginosas e assim por diante.

Outra dica é prestar atenção às tabelas nutricionais dos produtos que for comprar. Tem poucos ingredientes e estes são de origem vegetal? Então é uma boa opção para a sua dieta. 

Por exemplo, o chocolate vegano da Java Chocolates é pouco processado, plant based e com uma lista de ingredientes bem enxuta.  Você pode consumir tranquilamente como parte de sua dieta diária sem prejuízos a saúde. 

Viu como não é tão difícil trazer a alimentação plant based para o seu dia a dia? 

Mas lembre-se de procurar um nutricionista para te auxiliar na transição, assim terá certeza de que não faltará nenhum nutriente no seu prato,

Como dissemos lá no começo, a alimentação plant based sugere mudanças nos seu hábitos alimentares e nada está escrito em pedra. Então sinta-se à vontade para adaptá-la da forma que mais fizer sentido com a sua vida. Afinal, a melhor dieta é aquela que conseguimos seguir sem sacrifício, não é mesmo?

Ah! E não se esqueça de assinar nossa newsletter, para ficar por dentro das novidades do mundo da alimentação saudável.

 

Referências:

https://www.uol.com.br/vivabem/alimentacao/dieta/dieta-plant-based.htm

https://espacoy.com.br/beneficios-da-segunda-sem-carne/#:~:text=promover%20a%20campanha.-,Benef%C3%ADcios%20da%20%E2%80%9CSegunda%20sem%20Carne%E2%80%9D.,carne%20uma%20vez%20por%20semana.&text=Reduzir%20o%20consumo%20de%20carne,artigo%20%E2%80%9C%C3%81gua%20e%20ecoefici%C3%AAncia%E2%80%9D.

Xilitol, eritritol e o chocolate low carb da Java Chocolates

Xilitol, eritritol e o chocolate low carb da Java Chocolates

Por mais impossível que isso possa parecer, existem chocolates low carb! Tem dúvidas sobre cetose e alimentos low carb? Neste artigo vamos te explicar como isso é possível. 

“Será que eu como esse chocolate? Não quero furar a minha dieta low carb… Mas eu quero TANTO um docinho”.

Quem nunca passou por esse dilema? Você começou a dieta low carb ou dieta cetogência, mas aqueles resultados tão aguardados estão começando a aparecer. Contudo, vez ou outra surge a vontade de saborear esse doce tão adorado por todos. E se dissermos que você pode sim, comer um chocolate sem sair da dieta? 

Chocolate low carb

Os chocolates “normais”não fazem parte dos alimentos permitidos na dieta low carb (baixa em carboidratos) por terem muito açúcar, gorduras e um índice glicêmico bem alto. Para quem não se recorda, os carboidratos se transformam em açúcar dentro do nosso organismo, portanto qualquer alimento que possua muito carboidrato fica de fora das dietas low carb.

“Mas você não disse que eu ia poder comer chocolate sem furar a dieta?!”

Sim! Podemos considerar como chocolates low carb todos que tem em sua composição pelo menos 70% de cacau. Segundo o Dr. Barakat, o cacau é uma substância rica em antioxidantes que além de auxiliarem as atividades cerebrais, podem ser muito úteis para controlar o humor. O cacau é responsável pelos benefícios do chocolate. Gostaríamos de poder dizer que só há vantagens no alimento low carb, porém, o cacau tem o sabor amargo, portanto quanto maior a sua concentração no alimento, menos doce é o seu sabor.

“Sério que você está indicando chocolate meio-amargo ou amargo?’

Não desanime! Continue com a gente que vamos te contar como um chocolate pode ser low carb e agradável ao paladar.

Xilitol

O xilitol é uma ótima opção na hora de substituir o açúcar comum. Ele é um açúcar de álcool, natural e é encontrado nas fibras de diversos vegetais, frutas, algas marinhas e alguns tipos de cogumelo.

Esse adoçante natural possui uma capacidade de adoçar muito semelhante a do açúcar, porém com o índice glicêmico mais baixo e bem menos calórico, fatos que o tornam um ótimo aliado de dietas, inclusive na dieta low carb e dieta cetogênica.

Eritritol

Assim como o xilitol, o eritritol é uma ótima opção para adoçar sem sair da dieta. Também é proveniente de alguns vegetais e frutas.

O eritritol é ainda menos calórico que o xilitol. Segundo o Brasil Nutrição, enquanto o açúcar comum tem 4 calorias por grama, o xilitol tem 2,4 cal e o eritritol possui um total de 0,24 cal por grama. Além de tudo isso, este ainda garante 70% da doçura. A vantagem do eritritol em relação ao xilitol é que o eritritol não causa desconforto intestinal em pessoas mais sensíveis. O eritritol é o único adoçante poliol que não tem efeito laxativo.

“Ok” — você deve estar pensando — “mas o que tudo isso tem a ver com o chocolate low carb que vocês me prometeram?”

Chocolates low carb da Java Chocolates

​Essas, basicamente, são as fórmulas dos chocolates low carb da Java Chocolates

Nossa tabela nutricional limpa (com poucos ingredientes) produz chocolates gostosos e saudáveis, com opções para todos os tipos de paladares. Os com sabor mais doce são adoçados com xilitol ou eritritol e para os que preferem um sabor amargo, temos o chocolate 100% cacau. Isso mesmo, apenas 1 ingrediente!

Viu como é possível comer um chocolate gostoso sem furar a dieta?

Agora você tem diversas opções de chocolates para acompanhar um cafezinho, para comer de sobremesa, para presentear alguém, fazer um doce, entre tantas outras coisas que não pareciam ser possíveis dentro de uma dieta low carb. Mas lembre-se que, como tudo na vida, é bom consumi-lo com moderação. 

Gostou das dicas? Então assine nossa newsletter para receber as novidades.

Referências:

https://drbarakat.com.br/chocolate/

https://tuasaude.com/adocantes-naturais-para-substituir-o-acucar/

https://www.minhavida.com.br/alimentacao/tudo-sobre/18196-carboidratos

https://www.tuasaude.com/adocantes-naturais-para-substituir-o-acucar/

https://www.sophiederam.com/br/o-que-comer/o-que-e-xilitol-e-pra-que-serve/