Tipos de chocolate – o que pode e o que não pode na dieta

Tipos de chocolate – o que pode e o que não pode na dieta

Diversos tipos de chocolate são encontrados facilmente nos supermercados. E aí, quais deles cabem na dieta? Uma coisa é certa – sempre consuma com moderação.

Primeiro, há alguns atributos importantes independentes do tipo

  • Sem lactose: São os chocolates que não possuem leite ou que utilizam enzima, tornando-os aptos para consumo a quem tem essa restrição. Por isso, não significa que seja zero leite – caso houver compartilhamento de máquina, ele pode ter traços e ser inapto a quem tem alergia ao leite.
  • Sem glúten: São chocolates produzidos em ambientes que garantam a ausência de glúten. É comum que fábricas de chocolates tenham algum ingrediente com glúten, como cookies.
  • Zero açúcar: Aqueles que utilizam algum adoçante ou que forem 100% cacau. Para um chocolate ter algum dulçor, é necessário ter açúcar ou adoçante sempre, pois as amêndoas de cacau tem um

Para quem trabalha na área

Além do cacau , outro ingrediente diz muito sobre a qualidade: a gordura utilizada.

  • Chocolates nobres: Apenas manteiga de cacau.
  • Chocolates fracionados: Usam gordura vegetal, como a gordura hidrogenada.

Vamos aos tipos de chocolate?

Chocolate branco

O chocolate branco utiliza apenas a parte gordurosa do cacau, ou até pior, em geral usa gordura hidrogenada. A quantidade de açúcar tende a ser alta, sendo geralmente muito doces. Mesmo os zero açúcar, se forem muito doces, usam muito adoçante. Desta forma, não está na lista dos mais saudáveis.

 

Chocolate ao leite

O chocolate ao leite também tende a ser mais doce e com alto percentual de açúcar. Novamente, no Brasil é muito comum que estes produtos tenham gordura hidrogenada, pois é mais barata do que a manteiga de cacau e além disso, torna o chocolate mais resistente ao derretimento. O teor de cacau em geral é inferior a 40%. Desta forma, não está na lista dos mais saudáveis.

 

Chocolate amargo ou chocolate dark

São os chocolates com maior teor de cacau, acima de 70% cacau, muitas vezes o dobro do chocolate ao leite. Também tem menos açúcar ou adoçante, muitas vezes a metade. Mesmo assim, podem ter formulação duvidosa.

Além disso, a forma de adoçar pode mudar. Pode ser com açúcar, pode ser zero açúcar, e neste caso, pode usar adoçantes low carb como xilitol ou eritritol, ou adoçantes muito ruins.

Pelo ponto de vista do paladar: prefira chocolates que não tenham cacau em pó na formulação. O cacau em pó é um subproduto do processamento do cacau, em geral é proveniente de uma matéria prima ruim. Além disso: fuja da baunilha! Este ingrediente é utilizado para mascarar a má qualidade, pois o chocolate perde o gosto de cacau e fica tomado pelo odor da baunilha. Já experimentou um chocolate 70% cacau docinho? Em geral, tem cacau em pó e baunilha, com pouco gosto do cacau, que é a parte saudável do chocolate.

Desta forma, observando-se os ingredientes, pode ser saudável.

Chocolate dark

Chocolate Ruby

É mais um caso interessante: quando não é informado o percentual de cacau, não podemos ter expectativas que o chocolate seja saudável. A lista de ingredientes mostra o açúcar sendo o ingrediente de maior volume, de um total de 8, que incluem acidulante ácido cítrico – para que? Desta forma, não está na lista dos mais saudáveis.

 

 

 

O que significa o termo bean to bar?

O que significa o termo bean to bar?

Já ouviu falar nos chocolates bean to bar? Sabe o que significa? É disso que vamos falar por aqui hoje.

Quando abrimos a embalagem de uma barrinha de chocolate, dificilmente paramos para pensar em tudo o que existe por trás dela. Da onde vem essa delícia? Do que ela é feita? Como funciona a sua cadeia de produção? 

“Poxa, eu só queria comer um chocolatinho…” — sim, nós sabemos. Mas, imagina que legal apreciar seu docinho sabendo que:

  1. Ele é produzido de maneira artesanal;
  2. Utiliza poucos ingredientes e esses, além de serem naturais, são bem selecionados;
  3. O chocolate maker acompanha todo o seu processo de produção, desde o contato com o agricultor, que planta o cacau, até o chocolate estar prontinho para ser consumido.

“Ok”— você pode pensar — “parece incrível. Mas sendo práticos, como eu vou saber tudo isso quando estiver escolhendo o meu chocolate, de forma rápida?

Isso é muito simples! É só procurar os chocolates bean to bar. Aqui neste artigo, vamos te explicar tudo sobre essa forma de produzir e consumir chocolates. Continue lendo!

O que é bean to bar?

Traduzindo de forma literal, bean to bar significa “do grão à barra”. Ou seja, que esses chocolates são feitos desde o grão de cacau até a barra. 

É provável que essa explicação desperte dúvidas como: “mas não é assim que todos os chocolates são produzidos?” — e a resposta é, não.

A maior parte dos chocolates são produzidos a partir de uma massa de cacau (os grãos já vem moídos e torrados) ou a partir de outro chocolate já pronto, que é derretido e transformado em um novo produto.

Por que essa é a forma de produção mais comum? Por se mais fácil e barata. Como os produtores recebem a massa de cacau ou o chocolate, não há seleção de grãos, nem uma grande preocupação com suas particularidades, como a safra, por exemplo.

Portanto, o valor da saca do cacau é menor, o que diminui o custo total da produção, consequentemente diminuindo o valor final do produto. Ou seja, é um processo de fabricação muito utilizado por empresas que produzem em larga escala.

“Tudo bem. Por que então surgiu essa categoria bean to bar? Se a forma de fabricação tradicional é mais fácil e barata?”

Fique com a gente até o final para descobrir!

Como surgiu?

Respondendo a pergunta feita acima, o nicho bean to bar surgiu por uma necessidade de mercado. 

Já faz algum tempo que o mundo em geral começou a ser mais consciente, em vários aspectos: alimentação, meio-ambiente, desperdício, etc. e esse tipo de preocupação começou a alterar a forma que as pessoas consomem seus produtos

Tendo isso em mente, em 2005, nos Estados Unidos foi iniciada a fabricação e produção de chocolates com poucos e selecionados ingredientes, fatos que os torna mais saudáveis e naturais. 

Além disso, esses produtores começaram a acompanhar todo o processo de fabricação do chocolate, desde a escolha do agricultor e da seleção dos melhores grãos até a modelagem da barra e seu embalagem. 

A partir desse processo, quem consome os bean to bar sabe que, além de estar desfrutando de um produto de qualidade, também está colaborando com uma cadeia de produção consciente, onde os preços pagos aos produtores primários são justos e há menos danos aos meio-ambiente.

Mas eles são gostosos?

Às vezes os produtos naturais sofrem com a estigma de não serem muito saborosos, o que leva algumas pessoas a decidirem por consumir a versão, digamos “menos natural” da mercadoria.

Porém , isso sem dúvida não é a realidade de muitos produtos, inclusive dos chocolates bean to bar. Por exemplo, podemos fazer um  comparativo do café com esse tipo de chocolate:

Assim como acontece com o café, o sabor e o aroma do cacau são influenciados pelo clima da região, as características do solo e a variedade dos grãos..

Aliás, olha que boa ideia: fazer uma degustação de bean to bar!

Como é o processo de fabricação?

Conforme foi supracitado  uma das vantagens — tanto em relação ao sabor quanto em relação ao consumo consciente — desse tipo de doce é o seu processo de fabricação diferenciado. Confira agora como a mágica acontece:

Análise

 É a partir do processo de análise que os chocolate makers irão identificar a qualidade e as especificidades da amêndoa do cacau e assim desenvolver receitas coerentes com essas nuances.

Torra

A torra é um processo muito importante, que vai imprimir ao chocolate bean to bar seu aroma e sabor. As principais variáveis nesta etapa são o tempo e a temperatura em que as amêndoas serão torradas.

E caso sejam cometidos erros, o chocolate fica comprometido, independentemente da qualidade do cacau utilizado.

Separação de cascas

Após saírem da torra, as amêndoas são deixadas para “descansar” em temperatura ambiente, até que esfriem o suficiente para o processo de separação de cascas ser iniciados.

Essa operação é necessário, pois a parte do cacau que é utilizada para a fabricação de chocolates — conhecida como nibs de cacau — é revestida por uma membrana eu sabor amargo, então nesse processo, os nibs são separados e as membranas descartadas.

Refino e conchagem

Agora que temos os nibs de cacau devidamente separados é iniciado o processo de refino dos mesmos.

É aqui no refino que os outros ingredientes da receita serão incluídos. Tudo é milimetricamente controlado para que não haja perda de sabor durante o refinamento.

Na mesma máquina ocorre a conchagem, que é o que garante a suavidade e a maciez do produto final.

Modelagem e resfriamento

É aqui que o chocolate assume a forma na qual vamos encontrá-lo. Após o processo de modelagem, o bean to bar passa pelo resfriamento, que pode ser feito em túneis ou geladeiras

Embalagem

Pode ser feita por meio de máquinas ou a mão, depende da preferência do fabricante.

Seja por conta da pequena quantidade de ingredientes, por reduzir os impactos negativos no meio-ambiente, para afinar seu paladar em relação aos chocolates ou quem sabe, por todos os motivos citados, o bean to bar veio para ficar.

Certamente, se você der uma chance, ele vai conquistar um lugar na sua despensa —  e no seu coração.

Se inscreva em nossa newsletter para acompanhar as novidades do mundo dos chocolates!

Referências:

https://falauniversidades.com.br/bean-to-bar-a-nova-forma-de-fabricar-chocolate/#:~:text=A%20tend%C3%AAncia%20Bean%20to%20Bar,cacau%20at%C3%A9%20o%20produto%20final.

 

Bean to bar - quais chocolates entram nesta categoria?

Tabua de selecao de cacau

Traduzindo de forma literal, bean to bar significa “do grão à barra”. Ou seja, que esses chocolates são feitos desde o grão de cacau até a barra. em 2005, nos Estados Unidos foi iniciada a fabricação e produção de chocolates com poucos e selecionados ingredientes, fatos que os torna mais saudáveis e naturais. Além disso, esses produtores começaram a acompanhar todo o processo de fabricação do chocolate, desde a escolha do agricultor e da seleção dos melhores grãos até a modelagem da barra e sua embalagem. A partir desse processo, quem consome os bean to bar sabe que, além de estar desfrutando de um produto de qualidade, também está colaborando com uma cadeia de produção consciente, onde os preços pagos aos produtores primários são justos e há menos danos aos meio-ambiente.

Chocolate 100% cacau – como é feito?

Chocolate 100% cacau – como é feito?

Chocolate 100% cacau é um alimento natural e dos mais nutritivos. Feito exclusivamente a partir da amêndoa do cacau, ele entrega um sabor completamente diferente do chocolate com o qual as pessoas estão acostumadas.

O que significa chocolate 100% cacau?

O percentual é referente a quantidade de cacau presente no chocolate. Dessa forma, o chocolate 100% é composto exclusivamente por cacau. Entretanto, é possível que seja referente a mais de uma parte do cacau: massa de cacau, nibs de cacau ou manteiga de cacau. Para que seja um bom chocolate 100%, escolha sempre uma marca bean to bar, pois a qualidade do cacau é tudo, literalmente!

Por que é um chocolate amargo?

A parte do cacau utilizada para fabricação de chocolate é a sua amêndoa. Ela é uma parte que praticamente não contém dulçor. Por isso, o chocolate 100% feito a partir de amêndoas de cacau será sempre amargo, ou intenso, como você pode ler neste outro post.

Chocolate 100% cacau e nibs de cacau são a mesma coisa?

Podem ter o mesmo ingrediente, mas não necessariamente. Nibs é sempre a amêndoa de cacau torrada e sem casca; já o chocolate 100% pode conter nibs, cacau em pó e a manteiga de cacau.

O processo é que faz a transformação do nibs em chocolate. Já viu  como o cacau vira chocolate?

O cacau é amargo?

Aqui temos uma questão interessante: a polpa do cacau é doce, bastante doce e tem açúcar.

A partir desta polpa, são fabricados vários produtos como o “mel de cacau” e o suco de cacau.

Já a amêndoa do cacau, esta sim é bastante amarga e é o principal ingrediente do chocolate. Nós utilizamos apenas cacau especial, pois passa por manejo cuidadoso com fermentação controlada, perdendo o amargor e se torna intenso.

O que significa esse chocolate Wholefruit da Barry Callebaut?

Este chocolate é feito através da combinação das duas partes do cacau que mencionamos anteriormente:

  • Parte de amêndoas de cacau, com sabor amargo. Esta é a parte que traz os benefícios do chocolate.
  • Parte da polpa do cacau, doce e com açúcar.

O lançamento do produto é planejado para setembro deste ano (2020). De forma similar, temos um chocolate brasileiro já no mercado produzido pela Casa Lasevicius.

É uma alternativa interessante para o melhor aproveitamento da polpa do cacau, pois geralmente são descartadas pela grande indústria. Esperamos que se torne um produto viável.

 

Quais tipos de chocolates podem ser considerados saudáveis?

Quais tipos de chocolates podem ser considerados saudáveis?

Vamos entender sobre os tipos de chocolates saudáveis e o que pode fazer um chocolate ser considerável saudável? O número de marcas é cada dia maior, com muita publicidade e muitas perguntas em aberto.

Tipos de chocolate saudáveis

Como um resumo, podemos considerar dividir os tipos de chocolates conforme a lista abaixo:

Vamos analisar um a um para comparamos?

Chocolate branco

O chocolate branco utiliza apenas a parte gordurosa do cacau, ou até pior, em geral usa gordura hidrogenada. A quantidade de açúcar tende a ser alta, sendo geralmente muito doces. Mesmo os zero açúcar, se forem muito doces, usam muito adoçante.

Chocolate ao leite

O chocolate ao leite também tende a ser mais doce e com alto percentual de açúcar. Novamente, no Brasil é muito comum que estes produtos tenham gordura hidrogenada, pois é mais barata do que a manteiga de cacau e além disso, torna o chocolate mais resistente ao derretimento. O teor de cacau em geral é inferior a 40%.

Chocolate meio amargo

Entenda: Muitas marcas vão usar deste nome “Meio amargo” para atrair o público saudável. Mas fique ligado: podem ter 40% ou mais de açúcar em sua composição!

São chocolates com teor de cacau entre 40% a 65% cacau, um pouco maior do que os chocolates anteriores. Tem menos açúcar do que os chocolates anteriores, mas também costumam ter gordura hidrogenada.

Chocolate amargo ou chocolate intenso

São os chocolates com maior teor de cacau, acima de 70% cacau, muitas vezes possuem o dobro de cacau do que o chocolate ao leite. Também tem menos açúcar ou adoçante, muitas vezes a metade. Mesmo assim, a formulação pode não ser a ideal.

Além disso, a forma de adoçar pode mudar. Pode ser com açúcar, pode ser zero açúcar, e neste caso, pode usar adoçantes bons como xilitol ou eritritol, ou adoçantes muito ruins.

Pelo ponto de vista do paladar: prefira chocolates que não tenham cacau em pó na formulação. O cacau em pó é um subproduto do processamento do cacau, em geral é proveniente de uma matéria prima ruim. Além disso: fuja da baunilha! Este ingrediente é utilizado para mascarar a má qualidade, pois o chocolate perde o gosto de cacau e fica tomado pelo odor da baunilha. Já experimentou um chocolate 70% cacau docinho? Em geral, tem cacau em pó e baunilha, com pouco gosto do cacau, que é a parte saudável do chocolate.

Chocolate de origem é chocolate feito com cacau de qualidade, com sabor e que não precisa de ocultar defeitos. Traz o sabor do cacau de verdade, e com um adicional para a saúde: em geral, passam por torras em temperaturas menos altas, mantendo mais dos melhores componentes de cacau.

Chocolate zero açúcar

Aqui encontramos um “tipo” de chocolate mais difícil de analisar – pode ser bom ou ruim, vai valer a pena analisar o rótulo atentamente.

É informado o teor de cacau? Qual é o adoçante? Lembre-se: não existe chocolate doce sem ter adoçante ou açúcar. E mais: açúcar de coco, açúcar de maçã ainda assim são açúcares, mesmo tendo índices glicêmicos diferentes e são boas opções. Mas não acredite que existe chocolate zero açúcar e zero adoçante que seja doce. O único chocolate sem açúcar e sem adoçante é o chocolate 100% cacau: sim, possui apenas nibs de cacau em sua fórmula, e é muito forte até para quem é acostumado com um chocolate 70% cacau. Saiba mais sobre low carb e significado deste estilo de alimentação que prioriza justo este tipo de alimento, zero açúcar e com os melhores adoçantes.

 

Chocolate ruby

É mais um caso interessante: quando não é informado o percentual de cacau, não podemos ter expectativas que o chocolate seja saudável. A lista de ingredientes mostra o açúcar sendo o ingrediente de maior volume, de um total de 8, que incluem acidulante ácido cítrico – para que?

Guia para análise do chocolate fit

Depois desses itens, podemos indicar quais são os critérios :

  • Percentual do cacau: Quanto mais alto, melhor e ressaltam os benefícios do chocolate, pois inclusive já indica ter menos açúcar ou adoçante. Se não tem escrito, já sabe – tem pouco cacau.
  • Quantidade de ingredientes: Prefira os que contem massa de cacau, manteiga de cacau como os primeiros da lista de ingredientes.
  • Ingredientes: Prefira os que não contém baunilha, por usarem cacau de menor qualidade, e os que não contém cacau em pó, pelo mesmo motivo. O mais importante: não pode ter gordura hidrogenada.
  • Forma de adoçar: Opte por formas melhores de adoçar. Os melhores adoçantes são os naturais, como eritritol e o xilitol. Alguns adoçantes tem baixa caloria, porém, não são recomendados, sendo preferível utilizar o açúcar. Na foto abaixo, dois chocolates: o 2netcarbs , 70% cacau com eritritol, e o chocolate 85% cacau% cacau adoçado com xilitol. Há opções de chocolate 85% cacau com açúcar demerara orgânico, para quem não gosta do sabor de adoçantes.
  • Xilitol, eritritol e o chocolate low carb

    Xilitol, eritritol e chocolate low carb da Java Chocolates

Desta forma, não temos uma receita pronta para definir os chocolates saudáveis, mas sim uma receita para analisar quais são os chocolates mais saudáveis e mais adequados ao seu paladar. O mais importante: treine seu paladar para consumir chocolates com cada vez maior teor de cacau.

Vamos ver também alguns mitos sobre chocolate saudável?

Chocolate vegano é saudável?

Não necessariamente. O chocolate vegano pode ser saudável, mas precisa passar pela mesma análise que explicamos anteriormente.

Chocolate sem glúten é saudável?

Não necessariamente. O fato de não ter glúten na composição do chocolate não o torna  chocolate vegano pode ser saudável, mas precisa passar pela mesma análise que explicamos anteriormente.

Chocolate zero lactose é saudável?

Não necessariamente. O fato de não ter leite na composição pode ajudar, mas todos os outros ingredientes precisam ser analisados.

 

Comprar chocolate online

Depois dessas dicas, acesse nossa página e veja todas as opções, com certeza temos várias que vão te agradar para comprar chocolate online com facilidade e qualidade.

 

 

Xilitol, eritritol e o chocolate low carb da Java Chocolates

Xilitol, eritritol e o chocolate low carb da Java Chocolates

Por mais impossível que isso possa parecer, existem chocolates low carb! Tem dúvidas sobre cetose e alimentos low carb? Neste artigo vamos te explicar como isso é possível. 

“Será que eu como esse chocolate? Não quero furar a minha dieta low carb… Mas eu quero TANTO um docinho”.

Quem nunca passou por esse dilema? Você começou a dieta low carb ou dieta cetogência, mas aqueles resultados tão aguardados estão começando a aparecer. Contudo, vez ou outra surge a vontade de saborear esse doce tão adorado por todos. E se dissermos que você pode sim, comer um chocolate sem sair da dieta? 

Chocolate low carb

Os chocolates “normais”não fazem parte dos alimentos permitidos na dieta low carb (baixa em carboidratos) por terem muito açúcar, gorduras e um índice glicêmico bem alto. Para quem não se recorda, os carboidratos se transformam em açúcar dentro do nosso organismo, portanto qualquer alimento que possua muito carboidrato fica de fora das dietas low carb.

“Mas você não disse que eu ia poder comer chocolate sem furar a dieta?!”

Sim! Podemos considerar como chocolates low carb todos que tem em sua composição pelo menos 70% de cacau. Segundo o Dr. Barakat, o cacau é uma substância rica em antioxidantes que além de auxiliarem as atividades cerebrais, podem ser muito úteis para controlar o humor. O cacau é responsável pelos benefícios do chocolate. Gostaríamos de poder dizer que só há vantagens no alimento low carb, porém, o cacau tem o sabor amargo, portanto quanto maior a sua concentração no alimento, menos doce é o seu sabor.

“Sério que você está indicando chocolate meio-amargo ou amargo?’

Não desanime! Continue com a gente que vamos te contar como um chocolate pode ser low carb e agradável ao paladar.

Xilitol

O xilitol é uma ótima opção na hora de substituir o açúcar comum. Ele é um açúcar de álcool, natural e é encontrado nas fibras de diversos vegetais, frutas, algas marinhas e alguns tipos de cogumelo.

Esse adoçante natural possui uma capacidade de adoçar muito semelhante a do açúcar, porém com o índice glicêmico mais baixo e bem menos calórico, fatos que o tornam um ótimo aliado de dietas, inclusive na dieta low carb e dieta cetogênica.

Eritritol

Assim como o xilitol, o eritritol é uma ótima opção para adoçar sem sair da dieta. Também é proveniente de alguns vegetais e frutas.

O eritritol é ainda menos calórico que o xilitol. Segundo o Brasil Nutrição, enquanto o açúcar comum tem 4 calorias por grama, o xilitol tem 2,4 cal e o eritritol possui um total de 0,24 cal por grama. Além de tudo isso, este ainda garante 70% da doçura. A vantagem do eritritol em relação ao xilitol é que o eritritol não causa desconforto intestinal em pessoas mais sensíveis. O eritritol é o único adoçante poliol que não tem efeito laxativo.

“Ok” — você deve estar pensando — “mas o que tudo isso tem a ver com o chocolate low carb que vocês me prometeram?”

Chocolates low carb da Java Chocolates

​Essas, basicamente, são as fórmulas dos chocolates low carb da Java Chocolates

Nossa tabela nutricional limpa (com poucos ingredientes) produz chocolates gostosos e saudáveis, com opções para todos os tipos de paladares. Os com sabor mais doce são adoçados com xilitol ou eritritol e para os que preferem um sabor amargo, temos o chocolate 100% cacau. Isso mesmo, apenas 1 ingrediente!

Viu como é possível comer um chocolate gostoso sem furar a dieta?

Agora você tem diversas opções de chocolates para acompanhar um cafezinho, para comer de sobremesa, para presentear alguém, fazer um doce, entre tantas outras coisas que não pareciam ser possíveis dentro de uma dieta low carb. Mas lembre-se que, como tudo na vida, é bom consumi-lo com moderação. 

Gostou das dicas? Então assine nossa newsletter para receber as novidades.

Referências:

https://drbarakat.com.br/chocolate/

https://tuasaude.com/adocantes-naturais-para-substituir-o-acucar/

https://www.minhavida.com.br/alimentacao/tudo-sobre/18196-carboidratos

https://www.tuasaude.com/adocantes-naturais-para-substituir-o-acucar/

https://www.sophiederam.com/br/o-que-comer/o-que-e-xilitol-e-pra-que-serve/