Diversos tipos de chocolate são encontrados facilmente nos supermercados. E aí, quais deles cabem na dieta? Uma coisa é certa – sempre consuma com moderação.

Primeiro, há alguns atributos importantes independentes do tipo

  • Sem lactose: São os chocolates que não possuem leite ou que utilizam enzima, tornando-os aptos para consumo a quem tem essa restrição. Por isso, não significa que seja zero leite – caso houver compartilhamento de máquina, ele pode ter traços e ser inapto a quem tem alergia ao leite.
  • Sem glúten: São chocolates produzidos em ambientes que garantam a ausência de glúten. É comum que fábricas de chocolates tenham algum ingrediente com glúten, como cookies.
  • Zero açúcar: Aqueles que utilizam algum adoçante ou que forem 100% cacau. Para um chocolate ter algum dulçor, é necessário ter açúcar ou adoçante sempre, pois as amêndoas de cacau tem um

Para quem trabalha na área

Além do cacau , outro ingrediente diz muito sobre a qualidade: a gordura utilizada.

  • Chocolates nobres: Apenas manteiga de cacau.
  • Chocolates fracionados: Usam gordura vegetal, como a gordura hidrogenada.

 

Vamos aos tipos de chocolate?

Chocolate branco

O chocolate branco utiliza apenas a parte gordurosa do cacau, ou até pior, em geral usa gordura hidrogenada. A quantidade de açúcar tende a ser alta, sendo geralmente muito doces. Mesmo os zero açúcar, se forem muito doces, usam muito adoçante. Desta forma, não está na lista dos mais saudáveis.

 

Chocolate ao leite

O chocolate ao leite também tende a ser mais doce e com alto percentual de açúcar. Novamente, no Brasil é muito comum que estes produtos tenham gordura hidrogenada, pois é mais barata do que a manteiga de cacau e além disso, torna o chocolate mais resistente ao derretimento. O teor de cacau em geral é inferior a 40%. Desta forma, não está na lista dos mais saudáveis.

 

Chocolate amargo ou chocolate dark

São os chocolates com maior teor de cacau, acima de 70% cacau, muitas vezes o dobro do chocolate ao leite. Também tem menos açúcar ou adoçante, muitas vezes a metade. Mesmo assim, podem ter formulação duvidosa.

Além disso, a forma de adoçar pode mudar. Pode ser com açúcar, pode ser zero açúcar, e neste caso, pode usar adoçantes bons como xilitol ou eritritol, ou adoçantes muito ruins.

Pelo ponto de vista do paladar: prefira chocolates que não tenham cacau em pó na formulação. O cacau em pó é um subproduto do processamento do cacau, em geral é proveniente de uma matéria prima ruim. Além disso: fuja da baunilha! Este ingrediente é utilizado para mascarar a má qualidade, pois o chocolate perde o gosto de cacau e fica tomado pelo odor da baunilha. Já experimentou um chocolate 70% cacau docinho? Em geral, tem cacau em pó e baunilha, com pouco gosto do cacau, que é a parte saudável do chocolate.

Desta forma, observando-se os ingredientes, pode ser saudável.

Chocolate dark

Chocolate Ruby

É mais um caso interessante: quando não é informado o percentual de cacau, não podemos ter expectativas que o chocolate seja saudável. A lista de ingredientes mostra o açúcar sendo o ingrediente de maior volume, de um total de 8, que incluem acidulante ácido cítrico – para que? Desta forma, não está na lista dos mais saudáveis.